sábado, 2 de agosto de 2008

Peão, estilo de vida

Já fiz um texto semelhante ânus atrás, ao qual não foi resgatado para o blog...


De hábitos peculiares, eles são facilmente notados e dificilmente não haverá alguém que você conheça com esse perfil. Podemos dizer que ser peão ou “pião”, como é chamado popularmente, não é nenhum demérito, mas sim, um estilo de vida.


Na realidade, por mais nobre que a pessoa seja (seji - peãozisticamente falado), ela tem algum hábito de peão. Pois se não tiver, provavelmente essa pessoa “seji” extremante fresca e insuportável.


Peão que é peão normalmente é assim:


Fala sempre aos berros;


Acorda muito cedo e sem usar despertador;


Troca sua escova de dente a cada ano bissexto;


Come pão na chapa com pingado;


Lê as principais notícias de todos os jornais na frente da banca e, no fim, compra sempre o Lance;


Cumprimenta o motorista do ônibus pelo nome;


Ao sair do ônibus, dá duas batidinhas na porta e aos berros fala: “Valeu Piloto!”


Bota apelido em todo mundo;


Usa bigode ralo e unha grande;


Faz diariamente a palavra-cruzada do jornal Metro;


Sua leitura mais longa foi aquela estorinha da última página do gibi da Mônica;


Só almoça marmita ou prato-feito;


Come e até corta o bife com colher;


Odeia salada e come ovo todo dia;


Põe pimenta e farinha em qualquer comida;


Faz um buraco no arroz (parecendo um vulcão), para pôr o feijão em cima e não cair do prato;


Sempre toma uma caipirinha grátis na quarta-feira, antes de abater aquela fejuca;


Come até passar mal, se possível, come o resto de comida que estava na mesa ao lado;


Lambe os dedos ao comer frango;


Tira sujeira do dente com a unha (e a sujeira da unha com os dentes);


Depois do almoço, sempre toma café;


Chama alguém que não conhece de bigode, grande, chara, amigo ou companheiro;


Ao sair do boteco, sempre está com um palito de dente na boca e a camisa aberta;


Faz uma fezinha no jogo do bicho;


Joga bola no horário de almoço e depois vai trabalhar suado;


Usa desodorante Avanço;


Anda com cortador de unha e pente de cabelo no bolso;


Sempre carrega todos os documentos, até a reservista;


Não usa guarda-chuva;


Chama empresa de firma;


Trabalha com camisa de time de futebol e no fim de semana, veste camisa da “firma”;


Usa boné de político;


Olha pra bunda de qualquer mulher e aos berros ainda fala: “Essa eu boto broco por broco!”;


Usa pochete;


Cria maritaca achando que é papagaio;


Cria cadela grande num cubículo e a chama de Xuxa, ou de alguma personagem de novela, tipo Filó, Dara, Sarita e Porcina (Mixinelly não!);


Prova quantas vezes deixarem as amostras grátis dadas nos mercados;


Toma rabo de galo ou Maria mole no fim de cada expediente;


Come churrasquinho grego ou milho assado na barraquinha do ponto final do ônibus (quando termina de comer o milho, joga o sabugo pela janela do busão);


Passa no Bradesco todo dia pra imprimir um extrato;


Toma Kaiser;


Odeia tecnologia;


Só compra coisa à vista e em dinheiro;


Não perde um programa do Datena;


Vota no Maluf;


Chama a esposa de mãe;


Fala “qui seji”, “esteji”, “menas”, “mortandela”, “de grátis” e “a gente vamos”;


Chama bicicleta de magrela e tênis de pisante;


Sonha em ser policial militar;


Adora encher laje para comer de graça;


Não toma remédio de jeito nenhum;


Assua o nariz com os dedos, dá aquela estilingada na rua e limpa as mãos na calça;


Sonha em colocar uma luz neon e um DVD em seu Voyage, Tipo, Kadett, Opala ou Chevette;


Cola muitos adesivos no carro, do Coração Sertanejo, Estância Alto da Serra, Racionais e as famosas frases “capoto, mas não breco”, “rastreado por fofoqueiras”, etc;


Tira cera do ouvido com caneta ou chave de fenda;


Joga truco, dominó e dama (xadrez não!);


Tem celular top de linha, mas não tem crédito para efetuar ligação;


Fala que fulano trabalha com computador (não importa se é um profissional de informática ou se é, por exemplo, caixa de loja de conveniência);


Depois de dar uma bela gargalhada, sempre finaliza com um longo suspiro e... o famoso: “ai, ai, ai, ai”;


Acha que construir presídio e implantar pena de morte são saídas inteligentes para acabar com a violência;


Dá um tapinha nas costas quando lhe cumprimenta;


Fuma cigarro sem marca, tipo cigarro do Milhão e 007;


Adora ir ao Poupa Tempo;


É freqüentador assíduo do shopping Interlagos;


Nos aniversários, sempre é o cara que grita “e pra Fulano nada” e “então como é que é”;


Doug Peãozinho Kid

"Não mais, por falta de espaço"

Um comentário:

Daniel - Phdaemons disse...

Sou um "pião" não praticante.