segunda-feira, 10 de março de 2008

Partido dos Alunos Universitários (P.A.U.)

Um dia estava dialogando com meus amigos da faculdade, em um dos únicos momentos de descontração da minha árdua “rotina diária cotidiana do dia-a-dia”, conversávamos sobre os políticos que aprontam, saem do cenário político e, em seguida, voltam como se nada tivesse ocorrido.

Tudo estava na mais perfeita democracia, assim como rege o Estatuto do Torcedor, até que em certo momento, um dos colegas, chamado Alex, dá (isso ele sabe bem)... uma idéia fenomenal:

- Porque não fundamos um partido, o Partido dos Alunos Universitários, também chamado de PAU?

Ao ouvir essa palavra veio-me uma alegria inenarrável, um assomo de imaginações, “semelhante igual quinem” um orgasmo múltiplo...

Brincadeira...Pode avisar o meu pai que o PAU não me traz tanta euforia assim...

Porém gostaria de expor essa nossa idéia e discorrer sobre o PAU:

Certamente se bem colocado, o PAU levará muita lágrima aos olhos dos caros eleitores, lágrimas de felicidades, pois o PAU entrará de cabeça nessa campanha, não dando mole às coisas sujas, combatendo sempre com sua postura ereta os melefícios da corrupção alheia.

O PAU não ficará cabisbaixo, baterá de frente para quem quiser ver e jamais será atingido pelas coisas que vem de baixo, já que o PAU será duro na queda.

O PAU começará pequeno, intimidando pouca gente, porém com a colaboração de sua pessoa, o PAU crescerá ao longo do tempo, transformando-se em um referencial em segurança e rigidez.

A partir de agora todos terão uma visão diferente da política nacional, encherão a boca quando se referirem do PAU e, tenho a certeza, que jamais virarão as costas para o PAU, pois o PAU preventivo não caçoará, muito menos gozará sobre a visão crítica dos opositores.

O PAU tem o compromisso de conhecer cada buraco da cidade, o sairá do centro expandido e explorará minuciosamente cada cubículo.

Não parando por aí, o PAU compromete-se a movimentar ininterruptamente para proporcionar
a você e a sua família, um ideal de prazer jamais imaginado.

Além de abrir novas fronteiras, conhecer novas regiões e línguas, o partido está intrigado em resolver problemas que a ânus perturbam nossa civilização.

O PAU investirá na urbanização através da operação tapa buraco e na região rural, liberará a plantação de mandioca em seu terreno.

Fora isso, mensalmente o PAU aplicará na poupança do cidadão de baixa renda, uma razoável
quantia.

Você pode pensar que acabou, mas o PAU não pára nunca, sempre há tempo para mais uma. Sem cansar, trabalhará lado a lado com a população, com isso o PAU tocará no fundo de cadaindivíduo.

Mas se for preciso, o PAU utilizará da força para penetrar em todos. Inclusive como meta, transformará até mesmo os mais esquecidos, como os escrotos e os pentelhos, em seres úteis às relações pessoais.

Veja abaixo alguns depoimentos de pessoas ilustres sobre a entrada explícita do PAU no cenário nacional.

Paul do Maluf: “Estooooopra, mas não mata.”

Paul do Maluf (2ª Edição): “Arromba, mas faz.”

Fernando Collor Mello Rego: “Eles têm aquilo roxo”

Luiz(a) Erundina: “ Do PAU eu quero é distância.”

Luiz Inácio Pinto do Lula na Sílvia: “Não vi nada, não sei de nada, estava de costa.”

Marcú Cintra: “Se o PAU entrar, sou a favor que seja posto único”

Cláudio Lembo Hocano: “Não temo o PAU, ele está em minhas mãos, está tudo sob controle”

Libera Geraldo Alckmin: “Como sou um picolé de chuchu, vivo com o PAU dentro de mim.”

Sílvio Santos: “Vamos abrir as portas da esperança!”

Mario Jorge Leão Lobo Zagallo: “Vocês vão ter que engolir!”

Com essas declarações encerro dizendo que da minha parte está de pé, agora só depende da sua posição!

Doug Armando Bráulio Duran

Um comentário:

Daniel disse...

Arruma o Logotipo desse Blog Fiduma.
Preguiça heim.

[ ]s
DZZ