quinta-feira, 6 de março de 2008

Teoria do Ipod


Ipod (aipodi) é um equipamento de última geração e eu o utilizei como um símbolo do atual momento de nossa sociedade e com um exemplo das possíveis formas para você obter sucesso.

Não precisa ser um business para saber princípios básicos de negociações, até mesmo algumas crianças, já são detentoras dessa estratégia e manipulam seus envolvidos, conquistando os itens que mais querem.

Quando elas desejam um chocolate, por exemplo, elas não chegam a sua mãe e pede:

- Mami, eu quero um chocolate!

Elas utilizam uma regra básica de negociação, no qual, primeiramente fazem um elogio, daí tem uma reação positiva, então chutam o balde e, por conseguinte, o que vier é lucro.

Elas chegam e dizem:

- Querida mamãezinha, alguém já te falou que você está linda hoje?

Evidentemente que a mãe dirá não, primeiro que um pai depois de 8 anos de casado, jamais faria isso e, segundo, que mesmo se o Ricardão dissesse, ela também não falaria à seu filho. Então ela responde:

- Não, querido filho!

Daí, o serelepe já emenda:

- Mãe, eu quero um Ipod de última tecnologia, ele toca MP3, MPB, MBA, PQP, Campainha, Pun Heta e o KCT A4.

A mãe ouve um monte de coisa que ela não conhece ou, de repente, já esqueceu e se impressiona, dizendo ao filho, que não tem dinheiro para comprar.

Então o espoleta do moleque responde:

- E
ntão eu quero uma camiseta do penta campeão nacional original.

A Mãe já lembra que os produtos do São Paulo são caros e provavelmente gastaria uma bela grana para adquiri-lo e, envergonhadamente, responde que também não pode lhe dar.

O endiabrado do guri, diz:

- Então eu quero um chocolate!

A mãe então responde que tudo bem.

Ou seja, o filho da puta consegue o que quer.

O mesmo ocorre com um casal...

A mulher chega e fala ao marido que quer jantar no Rubaia, ele muito astuto e pão-duro, convida-a para ir ao Habibs e a mulher fica feliz da vida, pois o que ela mais queria era comer alguma coisa, que ela não tivesse trabalho e que o panaca pagasse.

Ou seja, a filha da puta chuta o balde e depois consegue o que quer. Mas se ela chegasse ele falasse de outra forma, ela não conseguiria, por exemplo:

- Benhêêêê (esse apelidinho é o fim da picada), eu quero ir ao Habibs!

Ele responderia:

- De novo! Desse jeito você vai sair rolando por aí de tanto comer besteira! Vai pra cozinhar fazer um macarrãozinho, que é mais gostoso!

O filho da puta economizaria dinheiro e gasolina, além do mal estar em sair com a gordinha e, de repente, encontrar alguém conhecido. (Lembre-se, mulher feia é igual pantufa, é gostoso dentro de casa, mas saiu na rua, é uma vergonha do K7).

O mesmo ocorre em uma negociação empresarial, salarial, etc. Enfim, em quase todos os momentos de nossa vida, entretanto, tem uma determinada ocasião, que o homem deixa de usar seus neurônios e peca na negociação, pois acaba pensando mais com a cabeça de baixo e por fim, fica na mão...

Então, nesse momento, o verdadeiro galanteador deve lembrar da Teoria do Ipod.

Certamente, meu amigo leitor perguntaria:

- Douglinhas, o que é a Teoria do Ipod?

A Teoria do Ipod, resumidamente, é o seguinte:
O homem jamais deve se precipitar em suas ações. Se der um passo maior que a perna, ele leva um não e termina sua noite à frente do pornotube.com . Então, cada atitude deve ser planejada, sempre pensando com a cabeça de cima, para num ato de fraternidade, proporcionar à cabeça de baixo, o tão desejado gozo.

Além disso, mulher é um bicho inexplicável, diz não, quando quer dizer sim, diz sim, quando quer dizer não e, ainda fica chula da vida, quando diz uma coisa que o homem deve entender outra e o meliante não entende. (Entendeu? ... Eu também não!)

Enfim...

Se o rapaz (estereótipo de um verdadeiro Homo Sapien Primata) chegar à donzela e dizer:

- Eu quero te comer!

Ela dirá um NÃO, com alto e bom som, acabando com o clima e, certamente, ele terminará sua noite no pornotube.com.

Entretanto, se ele for um símbolo “comedor FDP”, primeiramente ele a elogiará demasiadamente (com elogios sinceros ou não), e depois que estiver naquele clima, de mão naquilo, àquilo na mão, ele chutará o balde:

- Posso comer seu c....?

Ela responderá assustada que não pode.

Ele continua a atentar a guria e pergunta:

- Posso comer seu c....?

Ela responde novamente que não pode, mas se corpo começa a não esboçar a mesma reação que sua fala.

Então emenda novamente:

- Posso comer seu c....?

Ela responde novamente que não pode, mas, lembre-se que ela está batendo palminha, no ápice do prazer e, o comedor FDP sabe identificar isso, então ele emenda novamente:

- Posso comer sua buc...?

Daí ela responde:

- IPOD!

Por fim, o comedor FDP consegue o que quer, graças à Teoria do Ipod.

Douglíssimuns
Herectuns
"Não é pra quem quer, é pra quem Ipod"

Nenhum comentário: